26 de abril de 2017

Misses Estados Unidos que Ficaram em Segundo Lugar no Miss Universo

Olá meus queridos amigos e amigas, hoje é dia relembrarmos as representantes dos Estados Unidos que ficaram com a segunda colocação no Miss Universo. O país já teve oito candidatas eleitas Miss Universo, mas e quantas ficaram com o vice campeonato?

24 de abril de 2017

Matar para não Morrer - Mary Del Priore

Olá meus amigos e amigas, tudo bem com vocês? Como já é de praxe, hoje termos resenha,  e desta vez escolhi um livro brasileiro. O título é Matara para não Morrer, da Mary Del Priore. Ainda não havia lido nenhum livro dela, mas já tinha ouvido falar muito bem de seus livros, tanto, que já tenho alguns na minha lista para ler. A história do livro aconteceu de fato, é sobre a morte do escritor Euclides da Cunha pelo militar Dilermando de Assis, em 1909. Só fui ter conhecimento dessa história em 1990, quando a Globo apresentou a minissérie "Desejo", com a atriz Vera Fischer no papel de Anna Emília (dona Saninha, esposa de Euclides da Cunha) e os atores Tarcísio Meira, como o escritor Euclides da Cunha e Guilherme Fontes no papel de Dilermando de Assis. No livro, a autora conta a versão de Dilermando, desde a sua infância, passando pelas perdas do pai e logo em seguida a mãe, até o dia em que se deu a fatalidade no bairro de Piedade, no Rio de Janeiro. Eu gostei muito do livro e estava curiosa para ler.



Título: Matar para não Morrer – A Morte de Euclides da Cunha e a Noite sem Fim de Dilermando de Assis

Autor do livro: Mary Del Priore

Editora: Objetiva

Nº de páginas: 173

Quando vi a capa do livro, o que mais chamou a minha atenção foi...
Nada relevante.

Os verdadeiros Euclides da Cunha, Anna Emília da Cunha (posteriormente Assis) e Dilermando de Assis

O livro é sobre...
O assassinato do escritor Euclides da Cunha pelo militar Dilermando de Assis.

Eu escolhi esse livro porque...
Faz parte do desafio pessoal TBR Book Jar.


Tarcísio Meira (Euclides da Cunha), Vera Fischer (Saninha) e Guilherme Fontes (Dilermando de Assis) na minissérie Desejo em 1990.

A leitura foi...
Instigante.

O trecho do livro que merece destaque:

“O pior, para uma mulher, é não casar. O celibato feminino é uma fábrica ativíssima de monstros. A mulher é um ser profundamente afetivo. Nasceu para amar – seja a um homem, a um santo ou a um gato. Muitas, vítimas de namoro malogrados, refugiam-se no seio acolhedor da Igreja. São milhares e milhares  de devotas místicas, exaltadas no sentimento religioso, que encontram aos pés da Cruz um consolo para sua felicidade perdida. Outras dedicam-se ao professorado – e infernizam a alma terna dos crianças (devia ser proibida a existência de professoras solteiras!). Como não casaram, descarregam nos petizes todo o fel acumulado em longos anos de renúncia. Outras, por fim, dedicam-se a falar da vida alheia , a intrigar, a pôr veneno na vida dos conhecidos, a começara pelos parentes, admoestava o jornalista Berilo Neves na Revista da Semana.” – pág. 10.

“Os crimes de adultério eram justificados na mentalidade popular em nome da defesa da honra. O Correio da Manhã, comentando um crime, condenava a mulher adúltera que ‘desceu de seu posto de mulher-esposa, tornando-se mulher-prostituta’. O crime, justificava o articulista, deveu-se ao ‘desvario’ do marido desafrontado em sua honra viril. Havia quem matasse até por ‘desconfiar da fidelidade’ da esposa.  Não só desamor no casamento levava a abusos e agressões. A ameaça da quebra da supremacia do poder masculino era fator corriqueiro de desentendimento. O marido reagia ao ver os valores tradicionais abalados.” – pág. 23.

A nota que eu dou para o livro:
3 - Gostei bastante
 

Sobre a autora: Mary Del Priore escreveu mais de vinte livros sobre a História do Brasil, entre eles História das Mulheres no Brasil e História da Vida Privada. Historiadora com pós-doutorado na França e sócia honorária do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, foi duas vezes vencedora do Prêmio Casa-Grande & Senzala. Ganhou ainda o Jabuti na categoria Ciências Humano, com História das Mulheres no Brasil. Lançou pela Objetiva Condessa de Barral e o Príncipe Maldito, ganhador do prêmio de melhor livro de não ficção da Associação Paulista de Críticos de Arte.

Esse livro foi para o desafio:



19 de abril de 2017

Brasil é Capital da Beleza

Maria Raquel Andrade (Guanabara) sendo coroada por Ângela Vasconcelos (Paraná).
Top 4 do Miss Brasil 1965: Sandra Penno Rosa (São Paulo), Berenice Lunardi (Minas Gerais), Marilena Oliveira Lima (Mato Grosso) e Maria Raquel Andrade (Guanabara).
Sue Ann Dowing, Miss Estados Unidos, vencedora do Miss Beleza Internacional do Quarto Centenário do Rio de Janeiro.

Aparentemente contra a vontade de grande parte da assistência (que que vaiou a comissão julgadora) Maria Raquel de Andrade passou de Miss Guanabara a Miss Brasil, na noite de 3 de julho, no Ginásio Gilberto Cardoso. As preferências do público recaiam na representante do Mato Grosso (Marilena de Oliveira Lima), que apenas obteve o quarto lugar. Sandra Penno Rosa (São Paulo) e Berenice Lunardi (Minas Gerais) conseguiram a segunda e terceira colocações, ficando automaticamente classificadas para a representação da beleza brasileira em certames no exterior. Maria Raquel irá a Miami, Sandra Rosa seguirá para Long Beach e Berenice tomará o rumo de Londres. Viveram noite inesquecível, desfilando com as representes de todos os Estados do Brasil e, também, as jovens de outros países, que no Rio disputaram, três dias antes, o título de "Miss Beleza Internacional do Quarto Centenário". Assim, por quase toda uma semana, foi o Rio (todo o Brasil, enfim), a capital da beleza. No certame anterior, sagrou-se vencedora a Miss Estados Unidos, Sue Ann Dowing, que mereceu as preferências, de um júri composto exclusivamente de ex Miss Brasil: Marta Rocha, Maria Emília Correa Lima, Terezinha Morango, Vera Regina Ribeiro, Ieda Maria Vargas e Ângela Vasconcelos. Miss Universo, Kiriaki Tsopei, desfilou nos dois concursos, encantando pela sua graça e beleza. Ao passar a coroa de Miss Brasil, Ângela Vasconcelos chorou bastante. Por fim, um detalhe curioso: a norte-americana ganhou o título contra a vontade de Marta Rocha, que considerou o resultado do concurso "uma vergonha".

Em tempo: Maria Raquel de Andrade ficou entre as semifinalistas no Miss Universo vencido pela Tailandesa Apasra Hongsakula;
Sandra Penno Rosa, ficou em quinto lugar no Miss Beleza Internacional vencido pela alemã Ingrid Finger (Fifi);
Berenice Lunardi não figurou entre as semifinalistas no Miss Mundo vencido pela Miss Reino Unido Lesley Langley.

17 de abril de 2017

Cabeças de Ferro - Carol Sabar

Olá meus queridos amigos e amigas, como vão todos vocês? Hoje é dia de mais uma resenha do desafio Fuxicando sobre Chick Lits, que estou participando do Blog Livros & Fuxicos. A meta dessa vez é ler um livro de capa preta e o escolhido foi Cabeças de Ferro, da escritora mineira Carol Sabar. Esse é o segundo livro que leio da autora, o primeiro foi Azar o Seu! (http://pontocruzpontocommisseseliteratura.blogspot.com.br/2015/02/azar-o-seu-carol-sabar.html)
e achei divertidíssimo. Agora não foi diferente: um livro muito bem escrito e com altas doses de risada. É sempre divertido ler as histórias que a Carol escreve.



Título: Cabeças de Ferro

Autor do livro: Carol Sabar

Editora: Jangada

Nº de páginas: 303

Quando vi a capa do livro, o que mais chamou a minha atenção foi...
Vários significados da Engenharia.

O livro é sobre...
Uma estudante de Engenharia que começa a investigar um trote realizado na Universidade onde estuda que havia dado errado.

Eu escolhi esse livro porque...
Faz parte do desafio literário Fuxicando sobre Chick Lits e porque gosto muito dos livros da autora.

A leitura foi...
Muito divertida.

O trecho do livro que merece destaque:
“- Depois de ter salvado Mariana, posso dar o depoimento que eu quiser que todo mundo vai acreditar em mim. Sem mencionar que você fugiu do Bloco 14 assim que viu a garota desmaiada no chão. E omissão de socorro, meu filho, dá cadeia.” – pág. 80.

“A parte chata de ter memória de elefante é estar acostumada a registrar todos os detalhes da vida que acontece ao meu redor. Da minha vida. Detalhes que muitas vezes eu gostaria de esquecer.” – pág. 210.

A nota que eu dou para o livro:
3 - Gostei bastante


Sobre a autora: Carol Sabar é apaixonada por literatura de entretenimento. Nasceu em Juiz de Fora, Minas Gerais, e atualmente mora em Brasília. É autora dos romances Como (quase) Namorei Robert Pattinson e Azar o Seu!, também publicados pela Editora Jangada.  
 
Este livro é para o desafio:



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...